sexta-feira, 24 de junho de 2016

The Dream Syndicate - The Days Of Wine And Roses [Bonus Tracks]

Banda: The Dream Syndicate
Disco: The Days Of Wine And Roses [Bonus Tracks]
Ano: 2001(*)
Gênero: Alternative Rock, Indie Rock, Paisley Underground
Faixas:
1. Tell Me When It's Over (3:32)
2. Definitely Clean (3:30)
3. That's What You Always Say (3:13)
4. Then She Remembers (4:07)
5. Halloween (6:10)
6. When You Smile (4:15)
7. Until Lately (6:50)
8. Too Little, Too Late (3:27)
9. The Days Of Wine And Roses (7:34)
10. Sure Thing [From EP "The Dream Syndicate", 1982] [Bonus Track] (4:02)
11. That's What You Always Say [From EP "The Dream Syndicate", 1982] [Bonus Track] (4:22)
12. When You Smile [From EP "The Dream Syndicate", 1982] [Bonus Track] (3:10)
13. Some Kinda Itch [From EP "The Dream Syndicate", 1982] [Bonus Track] (5:32)
14. Too Little, Too Late [Previously Unreleased] [Bonus Track] (3:40)
15. Definitely Clean [Previously Unreleased] [Bonus Track] (3:36)
16. That's What You Always Say [15 Minutes] [Single A-Side, 1981] [Bonus Track] (3:57)
17. Last Chance For You [15 Minutes] [Single A-Side, 1981] [Bonus Track] (2:39)
Músicas de autoria de Steve Winn, salvo "Halloween" e "Sure Thing", compostas por Karl Precoda.
Créditos:
Steve Winn: Vocals, Guitar
Karl Precoda: Guitar (faixas 1-15)
Kendra Smith: Bass (faixas 1-15), Vocals ("Too Little, Too Late")
Dennis Duck: Drums (faixas 1-15)
Carolyn O'Rourke: Bass (faixas 16, 17)
Erik Landers: Drums (faixas 16, 17)
(*) LP originalmente lançado em 1982.
http://tinyurl.com/zck4kg9

Biografia:
Os primórdios dos anos 80 foram tempos estimulantes para quem gosta do rock americano da costa oeste. Vários grupos novos e ambiciosos apareceram no espaço de poucos meses, obviamente inspirados na sonoridade do término da década sessentista, mas sem deixarem de acrescentar algo essencialmente revigorante ao gênero. O primeiro EP, homônimo, da Dream Syndicate, e o seu disco seguinte, "The Days Of Wine And Roses" (gravado em setembro de 1982), mais do que justificaram a atenção que as bandas do "Paisley Underground" (nota minha: subgênero do rock alternativo, com raízes em Los Angeles e popular na metade dos anos 80; caracterizava-se pela psicodelia, refinadas harmonias vocais e interação de guitarras) atraíam.


Abrangendo o compositor Steve Wynn (nascido em 21 de fevereiro de 1960, em Los Angeles, Califórnia, EUA; guitarra e vocal), Karl Precoda (guitarra), Kendra Smith (baixo) e Dennis Duck (bateria), a banda escolheu a canção mais refinada do álbum, "Tell Me When It's Over", para o seu primeiro single britânico, emitido através da Rough Trade Records no encerramento de 1983. Após assinar com a A&M Records, a banda lançou "Medicine Show" em 1984. O disco – como seu debute já sinalizara – demonstrou, inegavelmente, a decisiva influência de Lou Reed e Neil Young no grupo.


Àquela altura, Kendra Smith já firmara uma parceria com David Roback na Opal (Smith também lançaria um deslumbrante álbum solo em 1995), tendo sido substituída por Dave Provost (ex-Droogs). "This Is Not The New Dream Syndicate Album... Live!" apresentou o novo baixista, Mark Walton, mas o disco marcou a ruptura com a A&M. A mudança para a Big Time, subsidiária da Chrysalis Records, gerou, em 1987, "Out Of The Grey". Gravado por Wynn, Walton, Duck e o recém-chegado guitarrista Paul B. Cutler, o álbum mostrou a banda com uma faceta mais comercial. Depois de "50 In A 25 Zone", um single de 12", o grupo transferiu-se para a Enigma Records, representada no Reino Unido pela Virgin Records.


Na sequência de "Ghost Stories", saiu, em 1989, "Live At Raji's", o canto do cisne da Dream Syndicate. Mas verdade seja dita: a banda nunca conseguiu ultrapassar a barreira qualitativa do seu estreante disco. Winn partiu para uma carreira solo igualmente aclamada, mas comercialmente inexitosa, além de gravar ocasionalmente com a banda Gutterball. O selo Normal Records, de Pat Thomas, editou, durante os anos 90, algumas excelentes gravações inéditas da Dream Syndicate (The Encyclopedia Of Popular Music. Compiled and edited by Colin Larkin. New York: Omnibus Press, 2007, p. 459; tradução livre do inglês).



2 comentários:

angstytimelord disse...

LOVE this band. Saw them on tour with R.E.M. back in the early 80s, when "Medicine Show" was out, and fell under their spell then. Steve Wynn is an absolutely incredible songwriter, and the band had a sound unlike anyone else. These are their two best albums, without a doubt, and even more than 30 years later, I still listen to them both on a regular basis.

Indignaldo Silva disse...

Thanks for comment.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...