sábado, 7 de maio de 2016

Catherine Wheel - Ferment

Banda: Catherine Wheel
Disco: Ferment
Ano: 1992
Gênero: Alternative Rock, Indie Rock, Shoegaze
Faixas:
1. Texture (4:21)
2. I Want To Touch You (4:40)
3. Black Metallic (7:19)
4. Indigo Is Blue (5:31)
5. She's My Friend (4:20)
6. Shallow (3:28)
7. Ferment (5:10)
8. Flower To Hide (4:43)
9. Tumbledown (4:08)
10. Bill And Ben (4:04)
11. Salt (5:31)
12. Balloon (3:56)
Músicas de autoria da banda.
Créditos:
Rob Dickinson: Vocals & Guitar
Brian Futter: Guitar & Vocals
Dave Hawes: Bass
Neil Sims: Percussion
http://tinyurl.com/zntc3ug

Biografia:
A biografia da banda, que segue, em tradução livre do inglês, foi extraída do site Oldies, que, por sua vez, cita, como fonte primária do texto, a Encyclopedia Of Popular Music, de Colin Larkin (sob licença da editora Muze).


Após tocarem em várias bandas locais, Rob Dickinson (nascido em 23 de julho de 1965, em Norwich, Norfolk, Inglaterra; vocal) e Brian Futter (nascido em 7 de dezembro de 1965, em Londres, Inglaterra; guitarra) criaram a Catherine Wheel na primavera de 1990, adquirindo um gravador de rolo e gravando músicas em casa. Para shows ao vivo, agregaram Neil Sims (nascido em 4 de outubro de 1965, em Norwich, Norfolk, Inglaterra; bateria) e David Hawes (nascido em 10 de novembro de 1965, em Great Yarmouth, Norfolk, Inglaterra; baixo). A repercussão foi imediata, surpreendendo o grupo. Municiada com um som guitarreiro suficientemente estiloso para chamar atenção sem sacrifício da produção criativa, a Catherine Wheel lançou o primeiro EP, "She's My Friend", pela gravadora Wilde Club, no começo de 1991. O potencial mostrado no disco permitiu que alguns membros do grupo abandonassem empregos lucrativos na indústria petroleira local, objetivando dedicar-se inteiramente à banda.


Turnês britânicas ao lado de Blur e Charlatans proporcionaram à Catherine Wheel um conceito ainda mais elevado, resultando num prestigioso contrato com a Fontana Records no verão de 1991. Dignamente, o grupo nunca tentou tirar proveito do parentesco entre o cantor Rob Dickinson e seu primo Bruce, vocalista da Iron Maiden.
O primeiro disco longo da banda continha a canção "Black Metallic", com sete minutos de duração e sucesso nas rádios universitárias americanas. No entanto, no encerramento de 1992, a imprensa, que já torcera o nariz para o cenário shoegazing, bombardeou a Catherine Wheel com críticas, embora as evidências auditivas mostrassem o desacerto da espinafração. "Chrome" recebeu novamente a produção de Gil Norton, sendo que a concepção artística da capa ficou a cargo do desenhista Storm Thorgerson, da Hipgnosis ("Dark Side Of The Moon", da Pink Floyd, etc.).


O disco, porém, não conseguiu emplacar no Reino Unido, embora, internacionalmente, obtivesse boa aceitação. "Happy Days" apresentou um dueto com Tanya Donelly (Belly) em "Judy Starting At The Sun", enquanto a intransigência e a amargura do álbum encontravam-se resumidas na música "Eat My Dust You Insensitive Fuck". Depois de concentrar-se numa excursão pelos Estados Unidos, onde demonstrou uma popularidade inalcançada na sua terra natal, a banda retornou em 1997 com o disco "Adam And Eve". E transferiu-se para a Columbia Records, com o propósito de escapar da demissão em massa que se seguiu à fusão da PolyGram com a Universal, o que não impediu, todavia, o desligamento de Hawes no começo das gravações em Wishville. Sempre beliscando o grande sucesso e imperturbável, aparentemente, diante do paradoxo de ser cultuada e vender pouco, a banda hibernou indefinidamente na sequência de uma excursão para promover seu derradeiro álbum. Dickinson lançou um disco solo, "Fresh Wine For The Horses", em 2005.

2 comentários:

Unknown disse...

Cara, muito obrigado por postar o disco e a história da banda!

Valeu!!

Indignaldo Silva disse...

Não há de quê.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...